Entenda como funciona o neuromarketing no empreendedorismo

Você certamente sabe o que é marketing. E quanto à neuromarketing, sabe o significado? O neuromarketing no empreendedorismo tem sido cada vez mais usado. A palavra neuromarketing foi criada na Holanda e nada mais é do que a junção dos termos marketing e neurologia.

O neuromarketing tem por tarefa o estudo do comportamento do consumidor e o que motiva esse comportamento. Ou seja, essa ciência busca encontrar respostas e padrões em estímulos físicos e psicológicos no momento em que o alvo de estudo realiza um processo de compra de um produto ou serviço. E mais que isso, busca compreender o antes e o depois da aquisição. De acordo com os dados obtidos é possível realizar análises, mensurar resultados e tomar ações mais assertivas.

Não é à toa que o neuromarketing no empreendedorismo vem atraindo cada vez mais interessados em aumentar as chances de negócio no seu estabelecimento. Com ele, é possível obter uma série de resultados. Continue lendo e confira!

Contexto histórico e objetivos

Sabe-se que o termo foi criado na Holanda, mas não se sabe com certeza quando o neuromarketing começou a ser estudado de fato. O que se percebe é que essa ciência surgiu diante da necessidade de aprimorar as estratégias de venda e persuasão que estavam em alta desde então.

Basicamente os objetivos do neuromarketing são os mesmos do marketing tradicional, que buscam melhorar estratégias e aumentar as vendas. O diferencial é que o neuromarketing consegue esse resultado de maneira bem mais eficaz que seu predecessor. E tem por prioridade a ênfase no comportamento psicológico do ser humano. Ele faz isso por meio da compreensão de impulsos e reações, assim como motivações e desejos para alcançar o aumento de vendas.

Por meio dos resultados obtidos é possível construir estratégias que sejam mais relevantes ao consumidor. Da mesma forma também é possível melhorar a abordagem atual e aperfeiçoar os formatos atuais da mídia e aumentar resultados positivos, principalmente na área do empreendedorismo, já que ela busca sempre novidades.

Neuromarketing no empreendedorismo e na comunicação empresarial

Uma das tarefas do neuromarketing é ser usado como forma de estratégia empresarial na área da comunicação empresarial. Isso porque de acordo com pesquisas cerca de 90% das decisões de compra são afetadas por impulsos psicológicos do inconsciente. Elementos como preferência podem até ser levados em conta, mas experiências e interações anteriores com a marca fazem toda a diferença.

Como já falamos, cada vez mais o neuromarketing é aplicado em empresas. Isso se dá por meio de diversos formatos, desde branding, design e experiências sensoriais. Tudo isso para cativar o inconsciente do cliente, desde o storytellyng que arranca emoções até um PDV mais eficaz. Para chegar a esses resultados o neuromarketing se utiliza dos seguintes estímulos:

Estímulos visuais

Diz respeito às reações obtidas utilizando as cores e sua psicologia. Um exemplo são redes de fast-food que usam cores específicas para atrair a fome de seus consumidores.

Estímulos olfativos

O cheiro das coisas e ambientes é algo que nos influencia a todo o momento. Através dele é possível criar memórias, e até mesmo resgatá-las. Sabendo disso empresas investem na personalização de seus produtos e serviços com cheiros únicos de forma a conquistar a mente dos consumidores.

Estímulos sonoros

Estímulos sonoros mexem com os ouvidos das pessoas e muitas vezes tornam-se inconfundíveis, dando personalidade à marca. É o caso do ronronar de motor de um carro específico, que já é característico aos ouvidos.

Estímulos táteis

O toque é capaz de despertar sensações muitas vezes únicas nos consumidores. Seja um tecido, uma embalagem ou o material de um sapato, essas são armas que o neuromarketing utiliza para cativar seus clientes por meio do tato.

Estímulos gustativos

O paladar é uma maneira de tornar determinado produto inconfundível no mercado. Um sabor único e característico de determinada marca pode fazer a diferença na hora de consumir um ou outro produto alimentício.

Trabalhando com o empreendedorismo e o neuromarketing
O primeiro passo sempre será entender seu modelo de negócio, para assim traçar planos e metas. Saber qual a essência da marca e colocá-los em prática, descobrir quais os problemas do consumidor e entendê-lo. Saber do que ele gosta, quais as perspectivas e preferências dele.

Ter noção de como ele pode ser afetado e quais diferenciais sua marca possui para cativá-lo. Investir nos setores de design, pesquisa e comunicação. Com isso, sua marca irá transmitir os valores que ela almeja. Personalidade é a palavra-chave aqui. Esses são pontos iniciais que se devem ter em mente ao se trabalhar com neuromarketing no empreendedorismo.

Agora que você já sabe como começar, que tal colocar essas ideias em prática? Lembre-se que uma mudança sempre começa com o primeiro passo! Caso tenha alguma dúvida ou queira saber mais sobre o neuromarketing no empreendedorismo, compartilhe seus comentários com a gente. Até a próxima!

  • Compartilhar
Danilo Colombo
Formado em publicidade e propaganda, apaixonado pelo mundo digital, startups, growth hacking e empreendedorismo. Quando não está pensando sobre negócios, gosta de passar o tempo com sua família. Atualmente é Head of Marketing da PDVend.

Você vai se interessar também.

Escreva um comentário

Quer acesso aos conteúdos exclusivos?

Cadastre-se e receba gratuitamente artigos, novidades e dicas.