NFC-e em MG: confira o calendário de implementação

Após um longo período de espera, a SEFAZ divulgou os prazos de obrigatoriedade da NFC-e em MG. O calendário de implementação da Nota Fiscal ao Consumidor Eletrônica em Minas Gerais foi anunciado em fevereiro e estipulou um prazo curto para a obrigatoriedade. As empresas precisaram correr atrás da implementação completa e de todo o processo de emissão devidamente ajustado para a emissão a partir de julho deste ano.

O evento INOVA NFC-e foi realizado em novembro de 2017 em Belo Horizonte e marcou a divulgação da mudança que está afetando todos os varejistas mineiros com a adoção do novo tipo de documento fiscal de venda ao consumidor final. No post de hoje listamos as vantagens da NFC-e e os prazos da adoção no estado. Continue a leitura e confira!

Quais os prazos de implementação da NFC-e em MG?

A implementação da NFC-e está sendo rápida e a obrigatoriedade já começou em julho. Confira o cronograma da Nota Fiscal Eletrônica do Consumidor em Minas Gerais:

  • Divulgação: Novembro de 2017
  • Legislação: Fevereiro de 2018
  • Projeto Piloto: Abril de 2018
  • Disponibilização do Ambiente de Produção: Julho de 2018
  • Obrigatoriedade: A partir de julho de 2018

Confira o Calendário NFC-e 2018 nos outros estados.

Quais as vantagens da NFC-e?

Existem diversas vantagens de emitir NFC-e para a contabilidade do varejista, como a possibilidade de emissão de notas sem impressora fiscal, reduzindo os custos do empresário. A versão impressa para o consumidor passou a ser feita por qualquer impressora, sem a autorização da SEFAZ.

Confira outras vantagens da implementação da NFC-e em Minas Gerais:

ECONOMIA

  • Dispensa do uso do Emissor de Cupom Fiscal: Antes, para usar o Emissor de Cupom Fiscal (ECF), era necessário contar com uma impressora integrada ao Programa Aplicativo Fiscal e qualquer manutenção ela tinha que ser feita por empresas credenciadas pelo Fisco.
  • Utilização de qualquer impressora não fiscal: não é mais necessário a autorização pela SEFAZ do estado.
  • Redução significativa dos gastos com papel: gerando também um menor armazenamento de documentos.

INOVAÇÃO

  • Uso de novas tecnologias: A NFC-e pode ser feita de qualquer dispositivo, inclusive tablets e smartphones.
  • Integração entre pontos de venda físicos e online: A operação ocorre dentro do ambiente digital do Sistema Público de Escrituração Digital, SPED.

AGILIDADE

  • Transmissão em tempo real: tudo é feito on-line.
  • Menos burocracia: já que há necessidade de autorização prévia do equipamento a ser utilizado.

FLEXIBILIDADE

  • Expansão de pontos de vendas: Agora é possível abrir novas unidades sem autorização prévia do Fisco, o que facilita principalmente nos períodos de alto movimento do comércio.

Afinal, o que é a NFC-e?

Buscando aumentar a agilidade nos processos de repasse de dados ao Fisco, simplificar todo o sistema tributário, evitar fraudes e a sonegação e reduzir os custos da emissão de papéis, foi criado um novo formato de documento fiscal de venda ao consumidor final: a NFC-e.

A NFC-e surgiu para substituir a Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2, e o Cupom Fiscal emitido por EFC. Desse modo, agora a Receita Federal pode monitorar todas as transações comerciais em tempo real, evitando as manobras de sonegação fiscal e o consumidor se tornou parte ativa da fiscalização. Através de um QR Code impresso no Danfe, o cliente pode acessar o site da respectiva SEF estadual e checar se os valores da nota são os mesmos que a empresa declarou ao Fisco.

Ainda tem dúvidas sobre o que é a Nota Fiscal Eletrônica do Consumidor? Leia esse artigo.

Quais as diferenças entre NFC-e e NF-e?

Você deve estar se perguntando: qual é a diferença entre NFC-e e NF-e? Ambas são documentos fiscais eletrônicos emitidos pelo varejo, mas elas têm suas particularidades. A NFC-e é emitida nas vendas para o consumidor final. Já a NF-e é mais abrangente e pode ser gerada na compra e venda, devolução de mercadoria e em muitas outras situações. Ela foi lançada em 2006 para substituir as notas fiscais modelos A e 1A.

Por que optar por uma empresa confiável para fornecer o emissor de NFC-e em MG?

Para emitir NFC-e vale muito a pena contar com um software de gestão capaz de fazer integração contábil de todas as operações, realizando a gestão de loja e o controle financeiro de uma só vez. Tudo isso deve ser feito com a melhor tecnologia disponível, já que a emissão da NFC-e permite mobilidade ao varejista.

Finalmente os varejistas de Minas Gerais estão tendo mais produtividade e economia com a implementação da Nota Fiscal ao Consumidor Eletrônica no estado. Você é um(a) varejista mineiro(a)? Ficou com alguma dúvida sobre a NFC-e em MG? Deixe seu comentário!

  • Compartilhar
Anna Bella Bernardes
Jornalista formada pela PUC Minas e pós-graduada em comunicação e marketing pela Universidade de São Paulo. Com 7 anos de experiência na área de comunicação, desde 2015 atua com marketing de conteúdo, SEO e inbound marketing.

Você vai se interessar também.

Escreva um comentário

Quer acesso aos conteúdos exclusivos?

Cadastre-se e receba gratuitamente artigos, novidades e dicas.